Marcas do Grupo

Fernando Pereira: "Sou simplesmente um actor de vozes"
O Emigrante / Mundo Portugus
Email: Password:
 
Primeira vez? Registe-se gratuitamente aqui.
Esqueceu-se da sua password? clique aqui.


Segunda-Feira, 28 Julho 2014 - 07:13 (Açores 06:13)
Homepage
SECÇÕES

Lisboa
Clique aqui para saber a hora de outras cidades

newsletter
meteorologia

Cultura

    

Fernando Pereira: "Sou simplesmente um actor de vozes"

Segunda-Feira, 27 Abril de 2009
No Dia Mundial da Voz que se comemorou no dia 16 de Abril fomos ao encontro de um artista bem conhecido do público  - - Fernando Pereira - que vive da sua voz há 25 anos. O cantor de vozes como se define, ao longo dos seus 25 anos de carreira já pisou os palcos ao vivo em mais de 3000 espectáculos e através das  vozes que imita e canta em espectáculos de grande qualidade, já conquistou o público nacional e internacional. “Alfacinha de gema” nasceu em Lisboa à 50 anos, mas suas raízes e talvez  este dom artístico, vem do Alentejo, de onde seus progenitores são naturais da bonita vila de Mértola, como faz questão de referir. Cantor e actor profissional desde 1982, rapidamente se transformou num fenómeno de entretenimento e num dos mais populares artistas nacionais. Com uma extraordinária capacidade vocal, Fernando Pereira canta e imita vozes de quase todas as super  estrelas podendo apresentar as suas imitações em inglês, francês, espanhol e obviamente na língua de Camões. O seu prestígio levou-o a actuar várias vezes para o Presidente da República e, um pouco por todo o lado, qual cidadão do mundo, a representar Portugal em vários eventos oficiais e nos mais variados espectáculos... 

Mundo Português – No Dia Mundial da Voz - Fernando Pereira tira partido do seu dom da voz. Como é que se define o Fernando Pereira - um cantor, um entretenier …
Fernando Pereira – Eu acho que Fernando Pereira é um bocadinho de tudo, e pode simplesmente definir-se como o “cantor de vozes”

MP- E não há vozes difíceis para imitar e cantar?
FP – Há sempre umas vozes mais difíceis que outras especialmente femininas de cantoras líricas de ópera, vozes muito aguadas serão sempre mais difíceis que as menos agudas, mas as pessoas tem que olhar para mim e perceber que é sempre a minha voz, nunca é a voz de outra pessoa, é sempre a minha voz que se molda aos sons e aos timbres que eu quero, da mesma forma um oleiro pode moldar o barro, ou um artista plástico pode moldar a sua peça.
Imagine um pedaço de barro ou plasticina, que a gente transforma no boneco que quer,  e que volta à forma a inicial, transforma para outro, é sempre o nosso barro. A minha voz é o meu barro é com ela que eu transformo e consigo produzir várias sonoridades. Faço realmente um espectáculo com essa panóplia de sonoridades, mas é sempre a minha voz que está na base de tudo.

MP- Foi um “dom” que nasceu com o Fernando Pereira?

FP- Eu penso que sim, se fosse fácil ou algo que se pudesse aprender ou estudar, haveria muito mais que eu. Se as pessoas olhares à volta, e isso é algo que me dá muito prazer e orgulho, reparam que existem imensos fadistas, imensos cantores de música ligeira, rokc, espectáculos de tudo e mais alguma coisa, mas espectáculo como o meu, com uma voz que faça todas as vozes eu não conheço mais nenhum, ou no mundo haverá muito poucos.

MP- E isto há quantos anos?
FP- Fiz cinquenta anos de idade há pouco tempo e no mundo artístico estou vai para 27 anos. 

MP - Por vezes o artista Fernando Pereira é uma presença constante  nas televisões, entrando pela casa dos portugueses, nas revistas e jornais e outras vezes desaparece. Onde é que anda o Fernando Pereira?
FP - O mundo é muito grande e a única entidade que pode estar presente em todo o lado é Deus Nosso Senhor, todos os outros para aparecerem nuns sítios tem que desaparecer noutros, o que significa que se tenham reformado. Tenho viajado um pouco pelo mundo inteiro, nem sempre para as nossas Comunidades Portuguesas, o que é pena, pois gostaria de estar mais vezes junto das comunidades portuguesas e muitas vezes vou a países actuar onde nem contacto com portugueses, vou directamente para uma sala de espectáculos, para um Casino, e por vezes como por exemplo nos EUA são países de forte presença portuguesa e onde até trabalhei muito para as Comunidades Portuguesas. Por exemplo no ano passado fiz uma série de grandes espectáculos nos EUA e Canadá, mas durante muitos anos ia directamente para Las Vegas ou New York sem sequer passar por nenhuma comunidade. Muitas vezes vou actuar em muitos países estrangeiros onde há muitos emigrantes portugueses, outras vezes vou onde não existem, caso de Eslovénia, Itália, República Checa, noutros tenho muito gosto em ir visitar os clubes, as associações e comer um bacalhau, beber um copo, algo que gostaria que acontecesse muito mais vezes.

MP - Deduzíamos que as  Comunidades Portuguesas nas suas inúmeras festas não costumam convidar o Fernando Pereira. É por o espectáculo não se adequar, ou pelo factor do preço do artista?

FP – Eu não sei existe aqui alguma ideia do meu espectáculo ser muito elitista ou muito caro, mas eu acho que dificilmente se encontrará um artista tão facilmente adaptável e flexível em representação aos preços ou apresentação. Já tenho feito espectáculos só com músicas portuguesas, só com músicas estrangeiras, falados nas mais diversas línguas, sou talvez dos cantores mais “camaleões” que se pode encontrar. Se alguém tem essa ideia, consulte o meu site, www.fernandopereira.pt e entre em contacto, pois só assim se pode chegar a um acordo. Muitas vezes as associações recorrem sempre aos mesmos empresários que estão habituados a trabalhar com determinados artistas e muitas vezes poderá acontecer que esses empresários nem sequer se lembrar do Fernando Pereira.

MP – Mas não tem parado, espectáculos não faltam...
FP – Se parasse morria o espectáculo … É a minha vida e eu vivo exclusivamente para isto, produzir espectáculos, sou o “cantor de vozes” sou o “entretenier” o “produtor” e tenho muita gente à minha volta que eu ajudo no mundo da música ou que trabalham directamente comigo, sou um homem que de manhã à noite trabalha no mundo do espectáculo.

MP- E o Fernando Pereira também se auto define como um emigrante...
FP – Um emigrante itinerante, passo a vida a saltitar de um continente para outro, a linguagem da música é universal, as letras nem sempre são.

MP- Onde nasceu ?

FP - Nasci no Bairro Campo de Ourique, a minha família é do distrito de Beja, mais concretamente de uma vila lindíssima, que é um verdadeiro museu islâmico e que chama Mértola, onde o Guadiana faz das suas e onde eu me banhei imensas vezes, quando ainda era possível tomar banho neste rio Ibérico; portanto sou fruto desta associação entre o rural e o urbano. Sou um cidadão do mundo, porque viajo pelo mundo inteiro, desde sempre. Nasci em Lisboa, tenho toda a vivência urbana da capital e depois tenho estas raízes alentejanas que me dão esta forma de estar simples, pachorrenta, calma e de bem com a vida!

MP - Faz sentido haver um dia Mundial da Voz?
FP – Para mim todos os dias são dias mundiais da voz, não fumo, tenho um grande cuidado com a voz e a alimentação, daí o exercício físico e uma vida saudável e aliado a uma alimentação saudável  e para mim todos os dias são Mundiais da Voz porque a voz é o meu dia a dia… é a minha vida.

MP - Uma mensagem para os nossos leitores que estão espalhados pelos cinco continentes.
FP – A única mensagem que quero enviar é desejar a todos aqueles que nos lêem que não de deixam intimidar por  estes tempos conturbados que vamos vivendo e que  nos afectam a todos em toda a parte do mundo, seja qual o for o país, somos afectados invariavelmente por esta crise, mas aquilo que desejo e espero é que nunca baixem os braços, como nunca baixaram e continuem a trabalhar e a dar mostrar da criatividade e da capacidade que os portugueses tem em se adaptar a qualquer situação e que me façam o favor de ser felizes….
 
António Freitas
afreitas@mundoportugues.org






outras notÍcias desta secÇÃo







EDIÇÃO IMPRESSA
destaque

Sondagem
HOJE FAZEM ANOS
Adriano Ferreira - Franca
Antonio Abreu - Alemanha
Antonio Cepeda - Brasil
Antonio Couto - Brasil
Antonio Silva - Brasil
Brian Lourenco - Suica
Cardoso Samuel - Franca
Ferreira Carvalho - Ilhas Jersey (ru)
Goncalves Madeleine - Franca
Jose Cardoso - Alemanha
Jose Pais - Alemanha
Manuel Brito - Franca
Manuel Luis - Alemanha
Manuel Moris - Alemanha
Maria Correia - Brasil
Valquiria Barbosa - Brasil
DOSSIERS
destaque
destaque

PUBLICIDADE
destaque
 
O Emigrante / Mundo Portugus
Av. Elias Garcia 57 - 7 1049-017 Lisboa - Portugal
Tel: +351 21 795 76 69 | Fax: +351 795 76 65
Email: redaccao@mundoportugues.org   |  assinaturas@mundoportugues.org
Webdesign por