Marcas do Grupo

Portugal cada vez mais um pas de termas
O Emigrante / Mundo Portugus
Email: Password:
 
Primeira vez? Registe-se gratuitamente aqui.
Esqueceu-se da sua password? clique aqui.


Sbado, 23 Agosto 2014 - 20:01 (Açores 19:01)
Homepage
SECÇÕES

Lisboa
Clique aqui para saber a hora de outras cidades

newsletter
meteorologia

Nacional

    

Portugal cada vez mais um pas de termas

Segunda-Feira, 02 Agosto de 2010
Sete novas termas estão em condições de abrir em breve, segundo um responsável sanitário, que compara o controlo das águas termais em Portugal ao cuidado que é dado a um medicamento que entra no mercado. Estão em vários estádios do processo de abertura termas em Vidago (Chaves), Meda (Guarda), Cró (Sabugal), Luso (Coimbra), Terras do Bouro (Braga), Penamacor (Castelo Branco) e Estoril (Lisboa).

“O Sabugal, provavelmente em Outubro estará feita a vistoria; Meda já tem termas novas aprovadas; no Luso até Setembro o projecto estará para vistoriar; Penamacor em Setembro ou Outubro estará em fase de projecto; o Estoril abrirá em breve”, exemplificou Paulo Diegues, responsável na Direcção Geral de Saúde (DGS) pelo departamento que autoriza e fiscaliza estâncias termais.
Pedras Salgadas (Vila Pouca de Aguiar, Vila Real) abriu há cerca de um mês e Unhais da Serra (Covilhã, Castelo Branco) é também uma das mais recentes, já a funcionar em pleno. “Muitas destas termas já existiram antes, mas estiveram muito tempo fechadas e tinham surgido numa altura em que não eram exigidas análises com o rigor de hoje”, disse este responsável, salientando que, por exemplo, o Estoril esteve fechado mais de 30 anos.
Segundo dados da Associação Termas de Portugal (ATP) no primeiro semestre de 2010 existiam em Portugal 48 termas licenciadas e com contrato de exploração pela Direcção Geral da Energia e geologia (DGEG), 37 das quais estavam em funcionamento e 40 delas eram associadas da ATP. Além das termas já referidas, a ATP acrescentou que, entre 2008 e 1010, foram reabertas ou renovadas as termas de Almeida (Guarda), Cabeço de Vide (Portalegre), Monção (Viana do Castelo), São Vicente (Sagres), Nisa (Portalegre) e Monte Real (Leiria). Este ressurgimento do interesse pelas termas surgiu, segundo Paulo Diegues, sobretudo desde a modificação da lei, em 2004, tendo-se verificado “uma renovação geral de mais de 200 milhões de euros de investimento”.
O mesmo responsável salientou que o processo de construção de umas termas é hoje extremamente completo e rigoroso em termos de estudos médicos e de exigências legais, além da confirmação das propriedades físico-químicas, bacteriológicas e radiológicas das águas que pretendem ser classificadas como termais. “Este rigor segue hoje a mesma filosofia de quando um medicamento entra no mercado”, considerou, realçando que mesmo depois de percorridos todos os passos e de ser concedida a licença para exploração da água para efeitos termais, “as termas têm ainda de funcionar durante algum tempo com um controlo para que comprovadamente se prove inclusive as propriedades terapêuticas da água”.
Quem classifica as propriedades da água e a sua capacidade para ser engarrafada ou de ajudar na cura de algumas patologias é a Direcção Geral da Energia e Geologia (DGEG). Depois de autorizada a exploração termal, à DGS e a entidades locais cabe ainda controlar a saúde da água desde a origem até aos pontos de utilização. “Quem explora tem de apresentar-nos análises de controlo, mas nós também fazemos análises de vigilância”, referiu. “Tomaram muitas áreas da saúde ter o controlo das termas e com isso digo tudo. A água da maior parte tem o mesmo controlo que têm os produtos alimentares”, acrescentou.

Mulheres são clientes habituais

Ainda são sobretudo as mulheres à procura de tratamentos diversos quem mais frequenta os balneários termais, mas a oferta de pacotes de bem-estar leva às termas cada vez mais clientes que não esperam uma cura, mas alguns dias sem stress. De acordo com dados da Associação Termas de Portugal (ATP), em 2009 procuraram as termas 97 mil clientes, mais 1,1 por cento do que no ano anterior.
Embora a maioria dos clientes ainda procure as termas no sentido clássico, o número das pessoas que procuram as novas valências de bem-estar está a crescer exponencialmente nos últimos anos, já que representou 31 por cento do total em 2009, quando era apenas de dois por cento do total em 2004. Segundo a ATP, 61 por cento dos clientes que procuram as termas no sentido tradicional são mulheres, 81 por cento do total de clientes tem mais de 44 anos e 14 por cento menos de 35 anos.
A maioria destes clientes mais tradicionais fica nas termas, em média, por 14 dias e volta por várias vezes, já que, segundo a ATP, verifica-se uma taxa de fidelização de 70 por cento. Já quem procura mais a indústria do bem-estar tem sobretudo entre 25 e 45 anos, é de classe média e média-alta e vive em grandes centros urbanos. A relação entre os sexos que procuram este produto é mais equilibrado, mas a taxa de fidelização do cliente é mais baixa. Normalmente ficam dois ou três dias, mas em hotéis de três estrelas ou superior. O volume total de negócios dos balneários termais em 2009 foi de 20,1 milhões de euros (mais 2,1 por cento em relação a 2008).
Apesar de não curarem, as termas mas ajudam no tratamento de algumas doenças de reumatismo, aparelho digestivo e de pele, por exemplo, e a sua frequência deve resultar sempre de prescrição médica, porque nem todos podem “ir a banhos”. Há 20 ou 30 anos, era vulgar as pessoas irem às termas para aproveitarem indiscriminadamente os benefícios das propriedades de determinadas águas para a saúde. Hoje já não é assim. Os tratamentos não são aleatórios e as estâncias termais são obrigadas a ter um corpo clínico que prescreve quais os melhores tratamentos a fazer.


outras notÍcias desta secÇÃo







EDIÇÃO IMPRESSA
destaque

Sondagem
HOJE FAZEM ANOS
Adriano Ferreira - Franca
Antonio Abreu - Alemanha
Antonio Cepeda - Brasil
Antonio Couto - Brasil
Antonio Silva - Brasil
Brian Lourenco - Suica
Cardoso Samuel - Franca
Ferreira Carvalho - Ilhas Jersey (ru)
Goncalves Madeleine - Franca
Jose Cardoso - Alemanha
Jose Pais - Alemanha
Manuel Brito - Franca
Manuel Luis - Alemanha
Manuel Moris - Alemanha
Maria Correia - Brasil
Valquiria Barbosa - Brasil
DOSSIERS
destaque
destaque

PUBLICIDADE
destaque
 
O Emigrante / Mundo Portugus
Av. Elias Garcia 57 - 7 1049-017 Lisboa - Portugal
Tel: +351 21 795 76 69 | Fax: +351 795 76 65
Email: redaccao@mundoportugues.org   |  assinaturas@mundoportugues.org
Webdesign por